fbpx

A força da arte em Rondônia

A força da arte em Rondônia
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

O artesanato de ‘Lili’ mesmo que a matéria-prima seja de reciclagem, fica com excelente qualidade !

O

atelier da Eliane Borges do Nascimento a Lili do Artesanato, fica na barraca 7 da “Feira do Sol do Madeira” no Galpão 2 da Estrada de Ferro Madeira-Mamoré, filha de dona Maria Borges, de Jaru/RO, mãe de quatro filhos duas mulheres e dois homens: Elenice, Elisângela Anderson e Nilson Borges.

Como filha de colonos e seringueiros, cedo na lida, ajudava seus pais no defumador da borracha para fazer as ‘pelas’, cuidava do forno para defumar, colhendo gravetos e coco babaçu, observando a natureza despertou para suas criações do artesanato natural feito de insumos da floresta, raízes, folhas secas e cascas da madeira. Começou de fato com sua mãe com a costura e bordados à máquina, em seguida pintura em tecido dos panos de prato, capa de água, liquidificador, guardanapos e trilhos de mesa. Nos idos de 1988, fez um curso de pintura em tela, tecido e cerâmica. Em contato com a matéria-prima natural, intuitivamente, desenvolveu uma técnica com fibras de açaí usando no acabamento de quadros, mandalas e arranjos florais de mesa e parede. Andando pela floresta a arte foi fluindo naturalmente inspirada em sua riqueza de detalhes e infinitos formatos da natureza, ela busca também inspiração pela cidade na busca de “caixas de feira” e “paletes. “Apesar da matéria-prima ser de reciclagem com um bom trato, lixar, recortar e pintar, o artesanato (produto) final, fica com excelente qualidade”, afirma Eliane Borges.

Hoje em seu atelier-casa onde divide bancadas na varanda dos fundos e um cafezinho feito na hora na cozinha improvisada na sala da frente para receber os amigos, desenvolve as técnicas adquiridas em cursos nas comunidades e cooperativas de artesanato entre vibras do açaí, papel reciclado, papel de fibra e muitas outras técnicas: “Eu fiz vários cursos de capacitação no Cetene via Sebrae/RO como o de “bio-joia”, tratamento de sementes, de papel reciclado e de fibras, infelizmente hoje não tem mais apoio desses órgãos ao artesão”, saudosamente lamenta Lili.

.

Fundadora de vários grupos de artesanato em feiras, associações e cooperativas como “Casa do Artesão”, “Cooperativa Açaí” e hoje é afiliada e expõe na ‘Feira do Sol do Madeira’. Tem muita experiência em grandes feiras, participou de várias em todo o Brasil principalmente na “Mãos de Minas” em Belo Horizonte/MG, Seminário de Cultura em Belém/PA e nas feiras de agronegócios, praças e eventos realizados em Rondônia. Fala que, o que faz a diferença para vender bem é contando histórias e tratando os clientes bem, “o cliente quer saber de sua história, de onde você veio e o que você faz, pra vender mais tem que contar primeiro a origem da peça de artesanato, do que ele é feito, qual a semente e como ela é preparada, depois se fala de preço, aí o cliente compra. Se o artesão não tiver conhecimento de seu produto, o cliente desconfia e não leva”, conclui Lili.

também poderá gostar de

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email
Autor(a)
Márcus Vinícius Arouca

Márcus Vinícius Arouca

Recomendado para você

NEWSLETTER

Cadastre seu e-mail e receba conteúdo grátis

Quem Somos

O Artesanato na Rede é o maior portal do seguimento artesanal que desde 2001 atua em parceria com diversos artesãos e profissionais da área, com aulas passo a passo em diversas técnicas.

© Artesanato Na Rede – Rua Conselheiro Saraiva, 341 – Sala 4 – Santana, São Paulo – SP, 02037-020